Histerectomia Parcial ou Subtotal: Pode Engravidar?

O que é Histerectomia?

A histerectomia é uma operação de remoção do útero, e em alguns casos também incluirá a remoção das Trompas de Falópio ou os ovários. Histerectomias são realizadas devido a presença de sangramento vaginal anormal, endometriose, miomas, displasia cervical, adenomiose, ou cancro no útero, ovários ou colo do útero.

O que é Histerectomia Parcial?

A histerectomia parcial é um procedimento que remove o útero, mas deixa intacto o colo do útero. Enquanto esse procedimento diminuiu os riscos de desenvolvimento de efeitos colaterais em relação a histerectomia total, ainda haverá efeitos físicos e emocionais que precisam ser abordadas após a cirurgia.

Tipos de Histerectomia

tipos-de-histerectomiaExistem três tipos de histerectomia, a histerectomia radical é um procedimento onde o útero, colo do útero e paramétrios superior são removidos em sua totalidade. Uma histerectomia total move o útero em sua totalidade, já a histerectomia parcial é um procedimento cirúrgico que remove o útero, mas deixa intacto o colo do útero.

Histerectomia parcial ou subtotal pode engravidar?

Se durante a histerectomia parcial, os ovários e as Trompas de Falópio forem deixados intactos, a mulher ainda poderá engravidar.

Como é feita a cirurgia de Histerectomia Parcial?

histerectomia-parcialHisterectomias parciais são realizadas pela remoção do útero ao longo de uma pequena incisão acima da linha dos cabelos pubianos. Em alguns casos, o útero também pode ser removido através da vagina, porém isso não é recomendado para as pacientes com um útero largo.

A Laparoscopia também pode ser utilizada para assistir uma histerectomia vaginal, oque é realizado fazendo duas ou três incisões ao longo do abdômen, e posteriormente inserir instrumentos cirúrgicos que o cirurgião irá controlar através de imagens no monitor para realizar a cirurgia.

Efeitos colaterais da Histerectomia Parcial

mulher-sem-utero-pode-engravidarUma remoção de um órgão reprodutivo, como o útero, certamente irá trazer efeitos colaterais, como alterações hormonais, as quais precisam ser consideradas antes mesmo de se fazer a cirurgia.

Complicações cirúrgicas: complicações comuns incluem infecção, dor ou muito sangramento depois do procedimento. Algumas mulheres também podem ter coágulos sanguíneos, hemorragia interna ou desenvolver uma grande cicatriz perto da incisão. Órgãos adjacentes, como a bexiga, ureteres ou intestino também podem ser acidentalmente danificados durante a cirurgia.

Alterações hormonais: uma histerectomia parcial resulta em uma diminuição do fluxo de sangue para os ovários, oque diminuiu os níveis de estrogênio no fluxo sanguíneo, e também pode diminuir a taxa natural de testosterona no sangue, oque por sua vez pode conduzir a uma redução da densidade óssea ou da altura da paciente. Estudos comprovam que mulheres que realizam histerectomia tem três vezes uma maior propensão a desenvolver problemas cardiovasculares ou esqueléticos devido a essas mudanças hormonais.

Problemas emocionais: Devido ao nível das mudanças hormonais depois de uma histerectomia, distúrbios emocionais podem aparecer, oque incluem ansiedade, depressão, irritabilidade, alterações de humor e aumento do nervoso.

Ainda há riscos de ter câncer no colo do útero: uma histerectomia parcial não aumenta os riscos de se ter câncer no colo do útero, mas devido a este continuar intacto, os pacientes deverão continuar a fazer o exame Papanicolau anualmente.

Outras complicações: devido às alterações hormonais, a paciente pode enfrentar sintomas da menopausa, como fadiga, dores de cabeça, perda de cabelo, insônia, dor nas articulações, perda do apetite sexual, dor durante a relação sexual, palpitações, incontinência urinária ou ganho de peso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *